21 de jan de 2012

São Paulo, eu, Bob Wolfenson e a tal arquitetura do preconceito

Reencontrei outro dia um livro publicado pelo Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades.

Preconceito à parte, a obra, chamada Antifachada (http://www.bobwolfenson.com.br/v2/en/exhibitions/antifachada) é uma ode a feiúra de parte significativa dos prédios de São Paulo.

Logo, uma coisa que fiz agora há pouco quando caiu uma imensa tromba d'água foi tirar fotos de uma das janelas do meu apartamento, local que há muito tempo não parava para olhar com atenção.
Percebi que as fachadas que vejo da área de serviço dariam belas fotos do Bob (que intimidade já...).

Vejam:




Eis algo que compartilho com o fotógrafo: as imagens da cidade de São Paulo e as beldades que ele fotografa e eu olho cheio de inveja.

Em tempo, ele tem uma bela exposição de fotos do Bom Retiro.
http://www.bobwolfenson.com.br/v2/en/exhibitions/bom-retiro

Aproveito para postar fotos de algumas fachadas, portões, portas de aço de vários prédios da cidade onde adaptações para evitar roubos e a presença de moradores de rua e viciados em drogas como o crack criaram uma arquitetura do preconceito ou também do medo.

Fica a pergunta, é possível mudar situações destas? De uma forma ou de outra todas as fotos revelam como moram e vivem parte dos paulistanos, migrantes e imigrantes.

 Correntes

 Luz de segurança anti-morador de rua com sono

 Casinha de aço anti-encosto de moradores de rua

 Portão de aço engradado

Mural anti-assento 

 Mural anti-assento dos Correios

 Detalhe do mural anti-assento dos Correios

 Bela entrada do edifício Adelina engradado

 Simpático mini-muro jardim da Santa Casa de Misericórdia

 Lindinho, não?

 Grades e luz forte em simpático prédio da Vila Buarque

Jardim suspenso da Vieira de Carvalho 

 Jardim suspenso da Vieira de Carvalho, maravilha do centro!

 Barra de aço anti-invasão de veículos, chique, até na Oscar Freire tem!

Os bancos não poderiam ficar de fora! São eles os patrocinadores das artes e das inovações nas agências bancárias.
 Santander da Rio Branco: vidros anti-moradores de rua

 Itaú: grades branquinhas!

 Citibank da São João com a Ipiranga. Por que será que o Caetano não cantou essa belezinha?

 Outra bela entrada gradeada de edifício na Guaianazes. Já deve ter sido um privê....

 Belezura de grades escondem formosa entrada

 Mais Santander da Rio Branco!

Pedaços de vidro no muro envolta da Favela do Moinho 

Elegância enmurada nos baixos Higienópolis!

Um comentário:

Luciana Leitão disse...

Tudo em nós fica cada vez mais solitário.

As janelas e suas grades, os portões imensos e fechados e as grandes trancas na porta.

Tudo em nós fica mais e mais só.