29 de mar de 2011

Filosofia barata e caminhada noturna

Mais uma vez tenho que escrever aqui.

Saí para caminhar as 22 horas e me dirigi, via Avenida São João, até o Largo do Café. Ao chegar ali um bar/restaurante promovia uma noite com samba ao vivo. Dentro do bar estava cheio e fora apenas uma mesa com umas 8 pessoas. Efeito do medo?
Logo depois, passei pela XV de Novembro até o Centro Cultural Banco do Brasil (já fechado, claro!) e voltei por várias ruas até chegar na João Brícola (rua do antigo Banespa e atual Santander... arght!). Todas elas, que durante o dia são ocupadas por profissionais liberais, comerciantes, bancários e funcionários públicos, já haviam se transformado em dormitórios de moradores de rua. Verdadeiros puxadinhos em pleno centro da cidade!
Decidi retornar para o centro novo e passar pela Rua Boa Vista (deu vontade de entrar no Girondino e tomar um café quente) e atravessar o Viaduto Santa Efigênia. Não sem antes contemplar a bela arquitetura do Mosteiro São Bento. Me lembrei de um texto do Monteiro Lobato em que ele dizia que aquele Viaduto vivia lotado e havia até cobrança para quem passava por ele.... Triste vê-lo vazio à noite!
Não resisti e inventei de cruzar a Ipiranga e dar uma olhada na Rua dos Andradas. Ali o governo do estado constrói a sede do Centro Paula Souza e a ETEC Nova Luz (estou com a sensação que será um elefante branco, pois a área administrativa vai ocupar mais espaço que a área escolar, e como a primeira só funciona de dia o quarteirão ficará bem deserto à noite!).
Finalmente cheguei até a rua dos Gusmões, cruzei a rua Santa Efigênia e me deparei com o centro da Cracolândia! Desta vez eu passei pelo meio do turbilhão e olhando sempre à esquerda contei cerca de 210 pessoas até chegar na avenida Ipiranga. Se levar em consideração que o lado da rua que não olhei tinha o mesmo número de pessoas, pode-se contar pelo menos 400 pessoas em apenas um quarteirão traficando e utilizando drogas!

Uma verdadeira Ágora! Eram as praças, locais onde os gregos discutiam filosofia, ou seja, a vida.

Cito a Ágora porque ao chegar em casa, está lá minha irmã assistindo a MERDA do Big Brother Brasil! E pego logo de cara o decaído Pedro Bial se esgoelando na tentativa de defender o programa que ele encabeça. Ele dizia que se os gregos tinham a Ágora no presente temos a TV, e claro, o BBB para discutirmos a vida!
Sinceramente, senti nojo e tentei lembrar dos momentos da história onde a discussão era presente e se tentava, através da troca de idéias até acaloradas discutir os rumos da sociedade ou mesmo da humanidade.
Lembrei dos gregos e também do Cristo falando para as multidões sob barcos e montanhas e de seus primeiros discípulos também nas praças pregando aquilo que acreditavam até serem levados até os leões nas arenas.
Lembrei de Lutero e outros que queimaram nas fogueiras da reforma.
Lembrei dos primeiros trabalhadores na Inglaterra lutando por seus direitos e também do movimento revolucionário em 1968, das Comunidades Eclesiais de Base, dos movimentos estudantis, UNE à frente e seus programas culturais.

Tentei lembrar de algo hoje e.... não me veio nada!
A maior parte dos cristãos estão celebrando, seja em suas enormes catedrais ou ouvindo e assistindo seus pregadores da prosperidade. 
Os sindicatos, que deveriam defender os trabalhadores estão partidarizados e só pensam em comer o dinheiro dos governos e das taxas sindicais. Veja o caso dos trabalhadores de Jirau: os sindicatos não sabiam da insatisfação dos trabalhadores. Os sindicatos de funcionários públicos e boa parte destes só pensam em DIMINUIÇÃO DA HORA DE TRABALHO e quase não se toca na questão da qualidade dos serviços à população que nos paga.
A UNE e UBES viram fábricas de carteirinhas, muitas irregulares! E posso provar, em um momento de insensatez anos atrás fiz uma como se fosse estudante de Música na ECA/USP!
E a ONU? Só se mexe quando há Petróleo envolvido! Nos países da África onde houveram grandes massacres, excetuando-se talvez a Somália, os massacres correram soltos e ninguém fez nada!

E assim caminha a humanidade e o Brasil, sem filosofia e perdendo a humanidade...